Apoie o aleitamento materno por um planeta saudável - Série Agosto Dourado


Apoie o aleitamento materno por um planeta saudável - Série Agosto Dourado (Parte 1)

O tema definido para a Semana Mundial de Amamentação de 2020 foi "Apoie o aleitamento materno por um planeta saudável" e tem como principais objetivos:

💛INFORMAR pessoas sobre as ligações entre a amamentação e o ambiente/mudanças climáticas. A amamentação é um excelente exemplo das profundas conexões entre a saúde humana e os ecossistemas da natureza;

💛FIXAR a amamentação como uma decisão climática inteligente. O aleitamento materno é natural, renovável e ambientalmente seguro;

💛ENVOLVER-SE com indivíduos e organizações para obter maior impacto. Proteger, promover e apoiar a amamentação aborda as desigualdades que impedem o desenvolvimento sustentável;

💛ESTIMULAR ações para melhorar a saúde do planeta e das pessoas através da amamentação. A SMAM2020 incide sobre o impacto da alimentação infantil no meio ambiente.

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=B8TrDlSyYNE&feature=youtu.be

 

A DOR das mães que não conseguiram ou não puderam amamentar - Série Agosto Dourado (Parte 2)

São muitas as dificuldades e barreiras encontradas pelas mulheres para conseguirem amamentar. Ainda é alto o número de mulheres que não amamentam, porque não é fácil. Isso não é motivo para que elas sejam julgadas e nem para que elas se julguem. Segundo os resultados preliminares do ENANI-2019 sobre os indicadores de aleitamento materno no Brasil, a prevalência de aleitamento materno exclusivo (AME) no país em 2019 foi:

➡️ 60 % até os 4 meses

➡️ 45,6% até os 6 meses Por mais que esses valores ainda não sejam excelentes, a evolução é maravilhosa. Segundo os dados do PNDS, em 1986 a prevalência de AME no Brasil era de:➡️ 4,7% até os 4 meses ➡️ 2,9% até os 6 meses Ao considerarmos que a maior parte das mães de hoje nasceram no final da década de 70 e na década de 80, o que esses números significam?

▶️ Muitas avós sentem a dor de não terem consigo amamentar;

▶️Muitas mães e pais sentem a dor de não terem sido amamentados;

▶️Muitas mulheres ainda sentem a dor de suas ancestrais e é muito difícil fazer diferente;

▶️Muitas mulheres sentem a dor de não terem conseguido amamentar;

▶️Muitas mulheres se culpam e temem ser julgadas por não terem conseguido amamentar. 💔É uma grande dor, permeada de culpa. A aproximação do mês de agosto é como uma pedra em um telhado de vidro para muitas mulheres. Muitas sentem uma profunda dor diante das campanhas de amamentação. Esse vídeo é sobre esse tema. Eu me preparo há alguns anos para aborda-lo, pois sei o quanto é difícil. Vamos conversar sobre essa dor?

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=uiu4yy0MEZE&feature=youtu.be

 

Amamentação em Livre Demanda - Série Agosto Dourado (Parte 3)

A OMS e o Ministério da Saúde recomendam que a criança seja amamentada em livre demanda. Isso significa sem restrições de horários e de tempo de permanência na mama.

Essa é uma frase muito proferida e pouco compreendida. Uma pessoa essencial para o sucesso da livre é o pai da criança, mesmo que ele não seja o marido/companheiro da mãe.

Se o pai compete pelo tempo que a mãe se dedica ao bebê ou se ele compete pelo cuidado com o bebê e quer ele “amamentar” a criança, ele pode desempoderar a mulher a amamentar. Se a mulher é insegura na relação com o pai da criança, ela pode abrir mão de amamentar para atender sua necessidade (ao invés da necessidade do bebê). Isso acontece nas relações em que o vínculo foi construído num nível de amor infantil, em que um ainda busca suprir no outro suas faltas de criança - o que não tomaram de seus pais. Quando essa dinâmica se instala a criança não é vista, muito menos suas necessidades. Se pai e a mãe estão em um relacionamento adulto eles olham juntos para a mesma direção - a criança.

Ambos se ajudam mutuamente e dão suporte um para o outro, a fim de atenderem as necessidades da criança. Tanto a criança quanto a mãe precisam da livre demanda para construirem um vínculo seguro de amor, para que o corpo dela compreenda a necessidade de produção de leite e para que o bebê aprenda a respeitar sua auto-regulação fisiológica de fome e saciedade. Mamães e papais, livre demanda significa:

- Parem de olhar para o relógio, para o medo e para a insegurança de que algo vai faltar;

- Deixem o controle sobre a fome e saciedade do bebê! Confiem que o corpo humano tem uma inteligência singular para fazer isso (são muitos hormônios, neurotransmissores, estímulos aferentes e eferentes).

- Parem de ouvir tanta gente e se escutem;

- Parem de atender a necessidade de tanta gente para então verem, escutarem e atenderem as necessidades do seu bebê.

Aprendam a se comunicar com o bebê e ele lhes dirá tudo, mesmo sem falar.

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=wiX4POOW2yE&feature=youtu.be


Categorias:

Crianças | Mulher | Saúde | Infância | Medicina | Alimentação | Família |